Umidade Relativa do Ar

Umidade do Ar

Em Meteorologia o termo evaporação é usado para designar a transferência de água para a atmosfera sobre a forma de vapor , decorrente, tanto da evaporação que se verifica em solo úmido sem vegetação, nos oceanos, lagos, rios e em outras superfície hídricas naturais. O termo evapotranspiração é empregado para exprimir a transferência de vapor d’água para a atmosfera proveniente dos vegetais e dos amimais.

A evaporação e a evapotranspiração são indicadas nas mesmas unidades da precipitação, utilizando-se a altura da lâmina d’água, expressa em milímetros. Um milímetro de evaporação, ou de evapotranspiração, equivale à transferência para a atmosfera de um litro de água para cada metro quadrado da projeção da superfície evaporante.

A Importância

Em um planeta em que a água potável está se tornando cada vez mais escassa e (consequentemente) cara, o estudo das perdas hídricas assume importância crescente. Para o solo vegetado e para os reservatórios de água doce, a evapotranspiração e a evaporação representam, respectivamente, uma demanda considerável de água, justiçando todos os esforços para quantificá-la e tentar minimizá-la. As perdas por evaporação ou evapotranspiração, exatamente por subtraírem uma substancial fração dos recursos hídricos disponíveis, não podem ser negligenciadas a nível de planejamento e tampouco de execução, em inúmeras atividades humanas. Neste contexto enquadra-se o abastecimento de água para as populações, a agricultura e a indústria.

Em regiões áridas e semi-áridas, onde a disponibilidade hídrica é fator limitante da produção agrícola e, em situações menos favoráveis, chega mesmo a por em risco a sobrevivência de populações inteiras, o conhecimento da distribuição espacial e temporal da transferência de vapor d’água para a atmosfera facilita bastante o estabelecimento de políticas visando ao uso racional da água. Estudos dessa natureza possibilitam a aquisição de conhecimento que proporcionem melhor controle do aproveitamento de grandes reservatórios, racionalizando a demanda de água para fins industriais, domésticos e agrícolas. Também torna possível quantificar melhor as laminas de água usadas na irrigação e os turnos de rega, minimizando os desperdícios e mantendo o solo em uma faixa de umidade adequada às plantas.

Texto extraído de:
VAREJÃO-SILVA, M. A. Meteorologia e Climatologia. Brasília: INMET, Gráfica e Editora Pax, 2001. 532 p.

 

Janeiro

umd_01

Fevereiro

umd_02

Março

umd_03

Abril

umd_04

Maio

umd_05

Junho

umd_06

Julho

umd_07

Agosto

umd_08

Setembro

umd_09

Outubro

umd_10

Novembro

umd_11

Dezembro

umd_12

Anual

umd_anual

Dados: 01 Março 2012